>"ENCONTRO EXPLOSIVO" ("Knight and Day", EUA, 2010) – Resenha crítica do filme

>

(Felipe Brandão)
Os fãs de clichês vão adorar Encontro Explosivo, novo filme do diretor James Mangold (Os Indomáveis) que estreou este mês nas salas de cinema. Protagonizada por Cameron Diaz (Uma Prova de Amor) e Tom Cruise (Operação Valquíria), a produção diverte ao misturar sequências de ação, comédia e romance, com direito a leves toques de drama e sensualidade, da mesmíssima maneira que tantos outros já fizeram. O que, frente à infantojuvenilização do cinema comercial com produções como High School Musical, Saga Crepúsculo e Harry Potter, é quase uma dádiva aos nostálgicos da Hollywood dos anos 90, quando o gênero era relançado aos turbilhões.
O enredo trata do encontro entre Roy Miller (Cruise), um agente desertor da polícia americana, perseguido sob acusação de traição, e June Havens (Diaz), jovem restauradora de carros, atrapalhada e sem sorte no amor. Eles se cruzam por acaso em um aeroporto de Boston, quando June está a caminho do casamento de sua irmã, e Roy tenta usá-la como isca para despistar seus perseguidores. A partir de então, o casal se vê envolvido em um implacável e perigoso jogo de interesses, no qual sobrarão tiros, perseguições de carro, explosões e reviravoltas de que June precisará ter muito jogo de cintura para sair ilesa e, de preferência, levar o charmoso e misterioso Roy consigo.
Sem grandes pretensões, o roteiro de Encontro Explosivo toma o rumo de um filme absolutamente esquecível, mas eficaz. Deixa o espectador sem fôlego nas incontáveis sequências de ação – muito bem produzidas, diga-se de passagem – e provoca risos com o jeito amador e impetuoso com que June lida com a situações de risco, tendo sempre que ser salva pelo intrépido Roy. As reviravoltas são interessantes, embora nada tragam de original. Poderia até deixar nos cinéfilos um gostinho de “quero-mais”, se não fosse pelo desfecho surpreendente, bem bolado e ao mesmo tempo totalmente adequado às expectativas do público. É o que resgata a película de cair na completa mediocridade.
Cameron Diaz saiu-se muito bem em sua atuação no longa, em todos os sentidos. Tom Cruise, em compensação, deixa a desejar; há algo de artificial na sua falta de expressividade e no sorriso rasgado que, de tão presente em suas cenas, parece não denotar emoção alguma (seria um sarcasmo malelaborado?).
Uma opção morna de entretenimento e deja vu: eis a melhor definição para Encontro Explosivo, para os interessados em conferi-lo.
This entry was posted in cinema, críticas. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s