>Crítica: "MEU MALVADO FAVORITO"

>

(Ana Paula Fanucchi)
Chegar ao topo é difícil, manter-se nele é mais ainda. É este o ponto comum entre Gru, o protagonista de Meu Malvado Favorito, e o estúdio que o criou tem. A primeira animação da Universal Studios – em parceria com a estreante Illumination Entetainment – estreou no dia 6 de agosto (sexta-feira), trazendo muitas emoções e também muitos risos.

A premissa gira em torno de Gru, o anti-herói do título, que tem a missão de voltar a ser o grande vilão que fora antes, e, para tanto, tem um plano um tanto quanto inovador: roubar a lua! De cara, o “malvado” esbarra em diversos obstáculos, como o empréstimo não cedido pelo banco dos vilões e, o pior de tudo, um novo antagonista que conquista todas as atenções do público, Vetor. Para driblar as desventuras inicais, Gru adota três doces menininhas que, sem saberem o que estão fazendo, ajudarão a roubar uma arma encolhedora do seu arqui-inimigo. Contudo, mais do que isso, o trio de garotinhas terá a missão de quebrar o coração de pedra de Gru e revelar seu lado bondoso e gentil.

O longa tem um bom roteiro, e a experiência de Chris Meledandri, ex-presidente da Fox que lançou animados como A Era do Gelo e Robôs, faz a diferença no resultado final. A vilania atrapalhada e desengonçada e a inocência cômica das meninas são alguns dos pontos mais fortes do animado: o humor pastelão que pouco se vê hoje nas telonas. Vale citar ainda a grande sacada da película: os minions, bonequinhos amarelos que trabalham para Gru. Atrapalhados e engraçados, eles roubam facilmente a atenção e a simpatia da platéia.

A tecnologia 3D foi muito bem utilizada durante o longa. A cena da montanha russa foi um dos pontos altos da tecnologia e até um diferencial, já que a maioria dos filmes só usa o 3D para atirar objetos nos telespectadores ou para o efeito de profundidade.

Meu Malvado Favorito agrada e diverte, mesmo que não fique entre os TOPs da animação. Se você busca uma boa opção de divertimento para as crianças, eu recomendo.

This entry was posted in cinema, críticas. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s