>"QUASE ANJOS" – Panorama geral da novela argentina da Band

>(Felipe Brandão)

Há mais de seis meses no ar, Quase Anjos vem se mostrando uma ótima opção de lazer para os adolescentes e jovens que, mais crescidos, não se identificam com os desenhos exibidos pelo Bom Dia e Cia (SBT) e a TV Globinho. Sucesso em diversos países da América Latina e da Europa, a atração leva a assinatura de Cris Morena (Chiquititas, Rebelde) e é produzida na Argentina de 2007 até hoje. Ao Brasil, chegou somente neste ano de 2010.
A trama se inicia, cerca de 100 capítulos atrás, com a heroína Cielo (Emilia Attias) sendo absorvida por uma enigmática passagem interdimensional no dia de seu casamento com Nico (Nicolás Vázquez). A partir daí, a ação gira em torno das investidas de uma organização maligna, a Corporação CC, em cima do referido portal e da casa onde tudo aconteceu. Para tal, a equipe de malfeitores, liderada pela impassível Franka (Manuela Pal) e pelo cínico Charles (David Masajnik), tem como alvo os filhos adotivos de Cielo e Nico, uma dezena de ex-meninos de rua com histórias difíceis e às vezes trágicas, mas que terminarão por serem os guardiões da dimensão paralela à que os vilões querem chegar.
Embora seja este o mote central, a ação é devidamente incrementada pelos conflitos amorosos dos “guardiões” adolescentes, ao estilo Barrados no Baile. São essas subtramas, por assim dizer, que conferem mobilidade aos capítulos, enquanto o lado fantasioso fica como pano de fundo. O suspense e a tensão são outros elementos-chave do enredo, remetendo a seriados norteamericanos da moda, como Heroes, Lost e Supernatural.
O grande diferencial do programa, porém, concentra-se no formato inovador lançado por Cris Morena nesta temporada – a segunda da atração; a Band optou por não transmitir a primeira. Os episódios têm a estrutura de série: os acontecimentos em cada núcleos são sutilmente interligados por uma mesma temática, partes deles de contexto isolado (isto é, só interessa ao episódio), outros promovendo o “desenovelamento” das premissas. Esse “elo de ligação” é expresso no título específico que cada capítulo recebe. A intertextualidade também é marcante em Quase Anjos, por meio de referências a clássicos infantis, músicas dos anos 80 e até às produções antigas de Cris Morena. Um exemplo: a antológica canção Unchained Melody, trilha do filme Ghost (1990), foi tema e pano de fundo do capítulo intitulado Melody Desencadeada, em que a vilã Melody (María del Cerro) passa por apuros ao ter o segredo de sua origem revelado.

Emilia Attias e Nicolás Vázquez, o
par principal (?) de Quase Anjos



Logicamente, existem também os defeitos. Não foi o fácil o encaixe do andamento da história ao método narrativo. Durante os primeiros meses, certas situações saíam forçadas nas tentativas de se enquadrarem aos títulos-temática. Um exemplo foi quando Cielo recuperou a memória, no episódio De Ponta-Cabeça; um momento fundamental, mais do que esperado, que não causou nenhuma reviravolta no caráter da personagem, tampouco no enredo como um tod. Além disso, se a ala juvenil da trama se sobressai, o núcleo adulto principal deixa a desejar. A disputa entre Nico e Salvador (Nicolás Pauls) por Cielo passa longe do que se espera de um triângulo amoroso central. Outro problema está, ou melhor, não está em Malvina (Gimena Accardi), papel que se destacou na primeira temporada, mas no novo ano mal passa da figuração.
Entretanto, a perda de qualidade mais lamentável em Quase Anjos é mérito da Band. Devido ao horário de exibição (9h15 da manhã), a emissora tem de editar os capítulos, cortando cenas que contêm violência ou insinuação de sexo, o que às vezes prejudica o entendimento da história. Outra crítica cabe ao fato de os capítulos no Brasil não receberem título, absurdo se considerarmos que na edição original eles são parte integrante da própria ação! A dublagem brasileira, por sua vez, já teve falhas ridículas na tradução de gírias e expressões idiomáticas do castelhano.
Cris Morena renovou-se em Quase Anjos, usando de ousadia e criatividade para formar o programa mais cult de sua carreira até aqui. Os que já acompanham a novela podem preparar seus corações: ela ainda nem chegou à sua melhor fase! Até dezembro (quando chegará ao fim), as melhores águas ainda vão rolar.
This entry was posted in Argentina, artigos, novelas, resenhas, televisão. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s